28 de abril é o Dia Mundial da Segurança e da Saúde no Trabalho

Atualizado em 28 de Abril de 2021 às 11h43
Profissionais da Saúde têm sofrido com a falta de segurança no trabalho e com o perigo constante de contágio da Covid-19

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) instituiu o 28 de abril como o Dia Mundial da Segurança e da Saúde no Trabalho, em memória às vítimas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. No Brasil, a Lei 11.121/2005 determinou a mesma data como o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho.

Há mais de um ano, diversos trabalhadores, em especial, as e os profissionais que estão na linha de frente no combate à Covid19, sofrem com a falta de segurança no trabalho e o perigo de contágio pelo novo coronavírus e suas possíveis complicações, além da preocupação em transmitir o vírus para pessoas próximas. Médicos, médicas, enfermeiros, enfermeiras, técnicos, técnicas e auxiliares de enfermagem têm colocado as suas vidas em risco para salvar as pessoas contaminadas pela Covid-19.

Entretanto, a falta de equipamentos de segurança adequados, de mão de obra em quantidade suficiente, as longas jornadas, somadas à omissão de centenas de governos pelo mundo frente à gravidade da doença, têm resultado em grandes quantitativos de vidas ceifadas. A estimativa é que ocorra uma morte a cada 30 minutos das e dos profissionais da Saúde, segundo a Anistia Internacional. No Brasil, os números também são alarmantes.

Dados dos conselhos federais de Enfermagem (Cofen) e de Medicina (CFM) apontam que ocorre uma morte a cada sete horas das e dos profissionais da Saúde que estão na linha de frente de combate à pandemia. Em muitos hospitais do Brasil, as e os profissionais vivem uma realidade de jornadas exaustivas e sem os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) adequados.

Para agravar o cenário, o país enfrenta o seu pior momento desde o início da pandemia, com hospitais públicos e privados registrando altas taxas de ocupação de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e com recordes sucessivos de mortes pela doença registradas em 24 horas. “As e os trabalhadores da linha de frente têm sofrido muito e estão expostas e expostos cotidianamente ao contágio, longe de suas famílias, com escassez de material, sobrecarga de trabalho, enfim. As equipes de saúde do SUS [Sistema Único de Saúde] têm sido incansáveis, têm se superado em prol da comunidade, têm morrido ao atuar na linha de frente da pandemia, têm aberto mão de estar com os seus para ajudar a salvar vidas, enquanto o governo desdenha, debocha, tripudia, dificulta, ameaça. Não fosse a estrutura pública, via SUS, a situação seria mais grave”, avalia Celeste Pereira, presidenta da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Pelotas (Adufpel – Seção Sindical do ANDES-SN), enfermeira de formação e que tem atuado na linha de frente da vacinação em Pelotas (RS), como voluntária.

 

 

Você pode continuar lendo essa matéria na íntegra. Basta clicar aqui

Compartilhe...

Outras Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
EVENTOS